O Mercado


Sobre o Mercado de todos os mercados, infelizmente não posso dizer as coisas bonitas que esperava dizer: que foi um dia perfeito, que estava bem organizado, que pensaram nas melhores condições para os vendedores, que respeitaram  e separaram os diferentes vendedores por áreas, que transformaram a Sé num verdadeiro espaço onde dá gosto estar. Não, não posso dizer nada disto, porque nada disto aconteceu. E se não fosse a nossa vontade de estar ali e não desistir, este dia podia ter sido um verdadeiro pesadelo...bem, quase que o foi. É certo que o calor excessivo não ajudou, mas levar com sol de frente das 10 da manhã até o sol se pôr, mesmo com o guarda sol arco-íris que fui comprar :-) ... não foi nada fácil. E aqui se vê que ninguém pensou previamente nos desgraçados que teriam de ocupar aquele espaço.
Decerto devia ter feito como muitos, que chegaram à tarde, nas calmas, escolheram um bom lugar à sombra, montaram as bancas e não pagaram a inscrição - neste caso sinceramente, foram os mais inteligentes.

E então, não houve nada de bom? Claro que sim! Começou com a visita de uma seguidora do blog que foi passear, como sugeri, até à feira da Vandoma  e à Sé e que levou com ela um coração. E não foi um coração qualquer, foi o cor-de-rosa com pintinhas que o filho fez questão de escolher! Apesar de saber que há gente a seguir o meu blogue, conhecer ao vivo essas pessoas, faz-me ficar de sorriso parvo e rasgado durante uma boa meia hora.
Depois os vizinhos: os pais da Marlene com as suas requisitadas  k7s, sempre prontos a ajudar e que também pediam ajuda na hora de traduzir para inglês. No final da tarde, já dominavam a comunicação com os turistas e já nem era preciso sequer traduzir, porque os turistas percebiam tudo!
Do outro lado, estavam o Nuno e Ana, a conversa foi muita e agradável!
E depois há sempre a Lígia com o seu grande e forte coração, há muitas conversas e troca de piadas com os vizinhos, há mojitos e água aos litros,  a visita da Sandra, da Matilde e do rapaz alto(eheh), da família e do meu sobrinho Manel, a arrasar corações com o seu estilo e cara de boneco maroto 

E depois houve jantar ao ar livre, houve uma noite quente com mais manobras: o baile dos corpos extraordinários, os músicos do STOP e a praça dos Leões cheia de gente conhecida como antigamente! As Manobras foram sem dúvida um exemplo de que a cidade e a cultura estão vivas e recomendam-se.

Mercado 0 - Jubela 1


E fotos? Claro que há, já não sou ninguém sem o meu caderno de anotações digital G12 















http://impressoimproviso.wordpress.com/category/miradouro-da-se-manobras/
http://impressoimproviso.wordpress.com/textos/














Comentários

Fernanda disse…
Obrigado por falar em nós, no seu post! O alfinete/coração é lindo, é apenas uma prova do seu talento.
De facto o calor era insuportável e apesar de tentarmos resistir, apesar de "perseguirmos" os palhaços animadores até á exaustão, o sol não deixou passear por mais tempo. mas esperamos que este tipo de iniciativa se repita. assim quem segue diáriamente os blogs de tantos jovens artistas/artesãos, tem oportunidade de conhece-los "ao vivo". Gostei muito de conhece-la é mais bonita pessoalmente que no blog.
bjs
Fernanda e Henrique.
Joana disse…
Muito obrigada Fernanda e Henrique! :)
Um bom natal para vocês e um bom ano de 2012!